Para além da Esquerda e da Direita – A Terceira Via na Europa

Emilene Kareline Marciano dos Santos

Resumo

As eleições europeias deste ano trouxeram mais uma vez à tona os apontamentos – muitas vezes críticos – sobre o modelo de governo sociopolítico implantado no continente e sua funcionalidade ante os reveses atuais. Nesse sentido, na discussão sempre presente entre Esquerda e Direita foi reforçado o debate a respeito (da crise) do Estado Providência ou Welfare State. Tem-se colocado propostas alternativas ao papel do Estado frente à sociedade, e uma delas é a Terceira Via.

A construção cognitiva da Esquerda e da Direita

A noção de esquerda e direita enquanto posições é bem antiga e presente social, religiosa e linguisticamente. Ela atende, por exemplo, à significação de esquerda enquanto a mão responsável por trabalhos impuros e a direita por trabalhos nobres; à concepção de que ao lado direito de Deus estarão os salvos e do esquerdo os condenados; em alguns idiomas como o inglês, direita e certa são expressas pela mesma palavra – right –, no francês, esquerda – gauche – significa desastrada e, em italiano, esquerda equivale à sinistra (ROSAS, 2013).

Porém, enquanto força cognitiva política, Direita e Esquerda se manifestaram primeiramente na França, durante a Assembleia Geral Constituinte de 1789, em que os deputados a favor do veto legislativo do rei ficaram do lado direito da sala, e aqueles contrários agruparam-se no lado esquerdo. A difusão dos termos, entretanto, ganhou força no início do século XIX, na sessão parlamentar de 1819-1820. Ali a direita passou a representar os que desejavam a velha ordem na França e a esquerda, a nova ordem (ROSAS, 2013). Referindo-se ao que Bobbio (1995) chama, em seu livro “Direita e esquerda: razões e significados de uma distinção política” de tradicionalistas e emancipadores, respectivamente.

Bobbio (1995) chama-nos atenção também para o fato de que Direita e Esquerda não indicam apenas ideologias – pois, isso seria uma simplificação –, mas revelam programas políticos que se contrapõem em relação a diversos problemas. Os contrates vão além da esfera das ideias; envolvem também interesses e valorações sobre a direção que a sociedade deve seguir. O autor propõe dois conceitos – e seus pares dicotômicos, por consequência – para distinguirmos Direita e Esquerda: igualdade e liberdade.

O conceito de igualdade, segundo Bobbio (1995), é relativo e, por isso, para entendermos a ideia introduzida por ele, precisamos considerar três questões ao abordar igualdade: 1) os sujeitos entre os quais serão repartidos os bens e os ônus; 2) quais os bens e os ônus a serem repartidos; 3) o critério com base no qual será feita a repartição. A partir disso, coloca-se a Esquerda como igualitária – o que não significa igualitarista ou que queira eliminar todas as desigualdades – e a Direita como  não igualitária – o que não significa manter todas as desigualdades. Essas afirmações são explicadas com base na frase: “os homens são entre si tão iguais quanto desiguais”.

A Esquerda tende a considerar que os homens são mais iguais do que desiguais e, por isso, entende as desigualdades como sendo de cunho social e, assim, passíveis de eliminação. A Direita, entretanto, percebe mais desigualdades entre os homens do que igualdade. Para ela, essas desigualdades são naturais e, dessa maneira, não há formas de extingui-las. Isso porque a lógica direitista está mais ligada ao habitual, à tradição, à força do passado. Enquanto a Esquerda acredita ser o homem capaz de corrigir tantos os males naturais quanto os sociais (BOBBIO, 1995).

Relacionada diretamente com a igualdade está a liberdade – cujo oposto é autoridade. Esta se caracteriza por ser um status pessoal, um bem individual, e por não acontecer puramente, mas por ser singular e corresponder a uma determinada situação. Bobbio (1995) afirma que há

situações em que a igualdade e a liberdade são compatíveis e complementares na projeção da boa sociedade, outras situações em que são incompatíveis e se excluem reciprocamente, e outras ainda em que é possível e recomendável uma equilibrada combinação de uma com a outra (BOBBIO, 1995, p. 112).

Situações como essas se expressam, por exemplo, na tão exaltada liberdade econômica que acaba por gerar desigualdades.

Para Norberto Bobbio (1995), a igualdade tem por efeito uma limitação da liberdade, usufruída ou não, como uma norma que obrigasse os cidadãos a usarem transporte público, tirando-lhes a liberdade de escolher o meio de transporte preferido. Mas, ele ressalva que nem toda medida igualitária limita a liberdade – como o sufrágio universal. O que justificaria, na concepção de alguns, tomar a Direita como libertária e a Esquerda como igualitária, embora o autor acredite que tanto Esquerda quanto Direita podem ser libertária ou igualitária. Os critérios adotados e seus pares dicotômicos distinguiriam extrema-Esquerda (igualitários e autoritários – jacobinismo) de centro-Esquerda (igualitários e libertários – social-democracia) e centro-Direita (libertários e não igualitários – partidos conservadores) de extrema-Direita (antiliberais e anti-igualitários – fascismo e nazismo). Sendo igualdade a diferença entre Esquerda e Direita, e liberdade a gradação desses pensamentos.

Estado Providência/Welfare State/Socialdemocracia

Norberto Bobbio (1995) afirma que a socialdemocracia caracteriza-se por ser “a esquerda em sua versão moderada” (BOBBIO, 1995, p.59), que se corrompeu e aceitou o jogo político da democracia burguesa. O que pode ser justificado pelas palavras de Esping-Andersen (1991):

Ao adotar o reformismo parlamentar como estratégia dominante em relação à igualdade e ao socialismo, a social-democracia baseou-se em dois argumentos. O primeiro era o de que os trabalhadores precisam de recursos sociais, saúde e educação para participar efetivamente como cidadãos socialistas. O segundo argumento era o de que a política social não é só emancipadora, é também uma pré-condição da eficiência econômica (Myrdal e Myrdal, 1936). (ESPING-ANDERSEN, 1991).

Giddens (1996), por sua vez, afirma que o Welfare State é o que restou da ideologia socialista e o que esta tenta defender dos ataques neoliberais. Seria a síntese da dialética entre o capitalismo liberal dos economistas clássicos e o comunismo de Marx e seus seguidores (LIMA; LAGEMANN, 1998).

A conformação do Estado Providência corresponde a um compromisso de classes, onde o Estado fica responsável por garantir e prover o acesso aos bens sociais básicos – saúde, educação, emprego e renda. Segundo Giddens (1996), o Welfare State tem se mostrado eficiente na oposição à pobreza e na produção de renda ou redistribuição de riqueza. Sobre os seus fundamentos econômicos, o Estado Providência baseia-se principalmente na escola keynesiana, cuja característica central é o intervencionismo direto do Estado na economia.

A Terceira Via

Nos estudos de Bobbio (1995), o que o autor denomina como “Terceiro Inclusivo” aproxima-se daquilo que é proposto como Terceira Via.

O Terceiro Inclusivo tende a ir além dos dois opostos [Esquerda e Direita] e a englobá-los numa síntese superior, e, portanto anulando-os enquanto tais: dito de outro modo, ao invés de duas totalidades que se excluem reciprocamente e não são, como a frente e o verso da medalha, visíveis simultaneamente, faz deles duas partes de um todo, de uma totalidade dialética (BOBBIO, 1995, p.38).

A Terceira Via caracteriza-se então como aquilo que está para além da Direita e da Esquerda e sua proposta é ser uma “revisão das políticas públicas associadas à socialdemocracia clássica, com a finalidade de criar-se uma solução para os males do neoliberalismo.” (LIMA; LAGEMANN, 1998, p.146). Para isso, se propõe a atenção haja pelo menos três valores. São eles: oportunidade real, responsabilidade cívica e comunidade. Sobre o primeiro podemos dizer da noção de que a sociedade garanta aos seus cidadãos um nível mínimo de oportunidade real de acesso aos bens públicos, independentemente do acesso por meritocracia. O segundo valor relaciona-se a atuação social do indivíduo. Esta não pode prejudicar os interesses públicos compartilhados pelos demais cidadãos. Eles devem assumir suas responsabilidades sociais primárias e assim contribuir para a harmonia e a manutenção do bem comum. Por fim, sobre comunidade podemos dizer que esse conceito deriva dos dois primeiros e refere-se ao incentivo à formação de associações e organizações coletivas, relações de ajuda recíproca ou comunitária. Dessa maneira os indivíduos não ficam isolados nem passam a agir individualmente (LIMA; LAGEMANN, 1998).

Em confirmação ao que foi dito, Anthony Giddens (1996), enquanto pensador da Terceira Via[i], afirma que nos dias do Estado Providência, um novo acordo social se faz necessário e a aquisição de poder deve ser possibilitada (garantida) e não distribuída (provida) (GIDDENS, 1996). O autor segue afirmando que a solidariedade social deve ser reconstruída no nível da família e no nível de uma cultura cívica mais ampla. Segundo Giddens (1996), é preciso “uma ênfase muito maior na mobilização de medidas de políticas de vida, direcionadas mais uma vez à ligação da autonomia com as responsabilidades pessoais e coletivas.” (GIDDENS, 1996, p.27). Ou seja, aqui ocorre a mescla entre deveres e direitos individuais e coletivos.

As eleições na Itália e na França

As eleições nacionais na Itália e na França no início deste ano revelaram o acirramento do antagonismo político nesses países. O elevado número de desempregados que na França, por exemplo, já chega a mais de 4 milhões, e outros tantos problemas internos enfrentados, levam essas populações a olhar com cada vez mais desconfiança para os seus líderes tradicionais da centro-Direita ou da Esquerda socialista.

A agremiação de Silvio Berlusconi, que obteve a maioria do Senado italiano, perdeu na Câmara dos Deputados para o partido de centro-Esquerda. A diferença percentual entre os partidos não chegou a 1% em ambas as Casas. Na França não foi diferente. A vitória conquistada pela União por um Movimento Popular (UMP) também aconteceu com uma margem percentual apertada contra a Frente Nacional (FN), de Marine Le Pen: 51,41% a 48,59%.

Esta última é herdeira política do pai Jean-Marie Le Pen, que lhe passou a liderança do partido. Jean-Marie sempre negou a existência do Holocausto e tinha como plataforma clara a disposição de expulsar todos os imigrantes do país. A filha segue dizendo que a culpa da decadência francesa são os imigrantes. E com um discurso antieuropeu e de fracasso da União Europeia, Marine Le Pen dá força para a extrema-Direita na França.

O que pode aumentar a atenção ao futuro político da Europa são estudos como o realizado pelo think tank britânico Demos, em 2011, que apontam o crescimento de grupos de extrema-Direita pela Europa, através das redes online. Os adeptos são em sua maioria jovens que se revelam cada vez mais críticos aos seus governantes e à União Europeia, estando profundamente preocupados com o futuro e identidade cultural, bem como com o crescimento da imigração e o alastrar da influência islâmica na Europa. A pesquisa revela ainda que os partidos que difundem ideias xenófobas, anti-imigração e anti-islâmicas, estão a espalhar-se para além de terrenos tradicionais como França, Itália.

Em suma, fica evidente o descontentamento da população e, em especial da nova geração, com o sistema de organização sociopolítico implantado no continente europeu, a socialdemocracia. Talvez seja o momento de rever o modelo e procurar novas opções de estruturação burocrática. Uma sugestão, que não é nova nem recente, mas sempre aparece nesse tipo de discussão, é a Terceira Via.

Considerações Finais

Tendo em vista o largo antagonismo político da população francesa e italiana, os conflitos que daí podem surgir e a preocupação em se evitar que seja revivido o trauma das políticas de extrema-Direita já implantadas no continente europeu, levam-nos a pensar a Terceira Via como uma possível solução para esses problemas. Uma vez que o que se busca por esse modelo de organização é sintetizar a centro-Esquerda expressa na socialdemocracia e a Direita e reforçar a ideia de coletividade, que tem se enfraquecido por meio de discursos centralizadores de cunho nacionalista.

O que se vê na Europa da crise é que muito se procura culpados para o problema atual, levando a responsabilidade a causas estruturais como o sistema, a burocracia, o mercado. Porém, ao lançar mão da Terceira Via, o que se quer dizer na verdade é que a questão pode ser um “equívoco” ideológico.

A antiga discussão sobre: “as ideias constituem a matéria ou a matéria constitui as ideias?” volta à tona e ganha uma roupagem nova. Pensa-se uma forma de organização social ideológica capaz de garantir o “melhor” da Direita e da Esquerda, o “melhor” da igualdade e da liberdade. Reforça-se a ideia da ordem e das responsabilidades para com o coletivo.

Nota-se que a discussão acima descrita não é atual, mas perpassa anos da história europeia – e da humanidade. E não só da história europeia no campo político, mas sociológico – e que sejam considerados outros! Busca-se retomar o sentimento de pertencimento, de unidade, e que fazer com que sejam eliminados os pensamentos de que “o outro é um peso para o governo e para mim” quando se trata de políticas de seguridade e imigração, por exemplo.

Com a Terceira Via pretende-se restabelecer a ideia de que o Estado não pode ser o provedor dos bens sociais, mas o garantidor. É preciso que as pessoas assumam seu papel social enquanto cidadãos e entendam que é preciso agir de acordo com um entendimento do coletivo – e não individual – para que se estabeleça o bem comum e todos tenham acesso aos recursos necessários para viver naquela sociedade. Repensa-se o papel do Estado e repensa-se o papel do indivíduo. A grande questão é como fazê-lo. Será que a atual Europa suportaria uma reforma nas estruturas de organização social?

No pleito eleitoral realizado este ano em dois dos mais importantes países europeus colocou-se em evidência a polaridade assumida pelo eleitorado em relação às propostas políticas dos partidos. O que nos diz que uma maioria esmagadora não se constituiu na França ou na Itália, mas que duas ideologias rivalizaram entre si em paridade. Tal fato nos propõe um problema: esta situação não significaria a consciência coletiva reforçando a ideia política de Direita e Esquerda, ao invés de desejar uma síntese entre elas?

Referências

A extrema-direita está a crescer em toda Europa. Diário de Notícias, 07 nov. 2011. Disponível em: <http://www.dn.pt/inicio/globo/interior.aspx?content_id=2105764>. Acesso em 13 jun. 2013.

BOBBIO, Norberto. Direita e Esquerda: razões e significados de uma distinção política. Tradução: Marco Aurélio Nogueira. São Paulo: Ed. da UNESP, 1995. 129 p. Título original: Destra e Sinistra. Ragioni e significati di uma distinzione politica.

‘EMPATE’ em eleições na Itália causa apreensão na Europa. BBC Brasil, Brasília, 26 fev. 2013. Disponível em: <http://www.bbc.co.uk/portuguese/noticias/2013/02/130226_italia_impasse_nova.shtml>. Acesso em 13 jun. 2013.

ESPING-ANDERSEN, Gosta. As três economias políticas do Welfare State. Lua Nova: Revista de Cultura e Política, São Paulo, n. 24, set. 1991. Disponível em: <http://www.scielo.br/scielo.php?pid=S0102-64451991000200006&script=sci_arttext>.  Acesso em 07 jun. 2013.

GIDDENS, Anthony. Para além da Esquerda e da Direita. O futuro da política radical. Tradução: Álvaro Hattnher. São Paulo: Ed. da UNESP, 1996.  p. 1-26. Título original: Beyond Left and Right. The future of Radical Politicals.

GROCHA. Desilusão com sonho europeu alimenta extrema-direita na França. Folha de São Paulo, São Paulo, 26 mar. 2013. Disponível em: <http://operacaofranca.blogfolha.uol.com.br/2013/03/26/desilusao-com-sonho-europeu-alimenta-extrema-direita-na-franca/>. Acesso em 13 jun. 2013.

LIMA, Antonio Ernani; LAGEMANN, Eugenio. A velha social-democracia e a nova direita: é possível uma terceira via? Indicadores econômicos FEE, Rio Grande do Sul, v. 26, n. 3, p. 144-149, 1998. Disponível em: <http://revistas.fee.tche.br/index.php/indicadores/article/view/1628/1996 1998>. Acesso em 07 jun. 2013.

ROSAS, João Cardoso. Direita/Esquerda. Disponível em: <http://www.ifl.pt/private/admin/ficheiros/uploads/d71b12f8bb2f1fc524d1eee1cb81770e.pdf>. Acesso em 07 jun. 2013.


[i] De acordo com LIMA; LAGEMANN (1998) os estudos sobre uma alternativa que fosse a construção de uma nova  social-democracia, uma terceira via entre o velho trabalhismo na Inglaterra e a nova direita, se deu a pedido do então Primeiro Ministro inglês Tony Blair. Este desafio iniciou sua condução pela London School of Economics and Political Science e, nesta, pelo diretor, à época, Anthony Giddens.

 

Anúncios
Esse post foi publicado em Europa e marcado , , , , . Guardar link permanente.

Uma resposta para Para além da Esquerda e da Direita – A Terceira Via na Europa

  1. P Bento disse:

    Os meus parabéns pelo texto. Ia reler o livro do Bobbio, mas já não preciso.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s